Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O meu cantinho

Semeia um pensamento e colherás um desejo, semeia um desejo e colherás a acção, semeia a acção e colherás um hábito, semeia o hábito e colherás o carácter...queres continuar...

O meu cantinho

Semeia um pensamento e colherás um desejo, semeia um desejo e colherás a acção, semeia a acção e colherás um hábito, semeia o hábito e colherás o carácter...queres continuar...

24.11.10

COMO LIDAR COM OS NAMOROS DE HOJE...!!


libel

 

O namoro representa uma fase de conhecimento mútuo do casal, concordo, nessa fase eles se encantam e se conquistam a todo o momento, concordo, nela percebem as semelhanças e as diferenças que os irão aproximar ou fazer com que terminem a relação, concordo,  o que muda ao longo do tempo é a forma como acontece este conhecimento, con..cor..do!!..

  

 

 

Ou seja, antigamente...

 

O casal não podia ficar junto sozinho, havia sempre alguém vigiando, o que dificultava o conhecimento de ambos, o facto de não ficarem a sós, causava constrangimento e impedia-os de trocarem ideias, caricias, e se conhecerem mais a fundo, havia toda uma série de regras e normas de boa conduta que fazia com que o casal apenas revelasse algumas facetas de si mesmo, até pela falta de intimidade e de tempo entre eles, porque havia horários e dias restritos para o namoro. As surpresas ficavam todas para depois do facto consumado, bom ou mau...o que dizer, posso assegurar que nunca conhecemos 100% quem vive e dorme connosco uma vida inteira quanto mais num namoro vigiado.

 

Actualmente.....

  

O namoro é muito mais aberto, existe mais informação, logo mais comunicação, o que facilita o papel dos pais, surgem outras preocupações, que ofuscam a vigia a um namoro, ou seja, a realidade é que, damos por garantido, o sexo. O que podemos fazer, dar graças pelo facto de sabermos que se protegem, ou pelo menos de ter plena consciência dos avisos e cuidados.  Sabemos que, a sexualidade é um factor importante para a manutenção de um relacionamento, embora não seja o factor preponderante, logo, a partir dessa intimidade, acreditamos que, o casal deixe revelar grande parte das suas facetas, em conversas, troca de ideias, carícias, gestos, ou atitudes, propiciando um conhecimento mútuo mais profundo entre eles,  mas.....

 

 

Nem tanto à terra, nem tanto ao mar....

  

 

O que fazias, ou melhor ...qual a tua reacção, se entrasses em casa (ok...mais cedo, do que o costume)...sentisses assim um ambiente estranho, sei lá, tipo um silêncio esquisito, e de repente o teu filho (17 anos, namoro recente)...., surgisse todo despenteado, com ar de louco e ao mesmo tempo assustado, e te dissesse: Mãeeeee....vieste mais cedo, não é costume....

 

 

Vi logo o filme todo ...e confesso que fiquei a precisar de uma ginginha...Lolll...

  

  

  

Beijokas

Iz@

  

  

 

2 comentários

  • Imagem de perfil

    libel

    26.11.10

    Olá Marta,

    Eu ainda respiro um pouco no intervalo entre os meus filhos, pois têm uma diferença de 4 anos, e parecendo que não, nesta fase acaba por dar um certo jeito, daqui para a frente não sei o que vai acontecer, mas costumo viver um dia de cada vez para não ficar velhota mais cedo!!...
    Esta diferença (por enquanto) ainda me oferece vantagens, enquanto experiencio vivências com o mais velho, vou ganhando bagagem para mais tarde poder ajustar certos procedimentos em relação à mais nova, ou seja, vou conhecendo e aprendendo a gerir situações novas e a criar um suplemento de poder de encaixe, não garanto que resulte, pois cada um tem a sua maneira de ser e estar, mas pelo menos sinto-me mais confiante, informada e "pronta" para alertar, apoiar e sobretudo proteger.

    Admiro a tua "coragem", ter filhos com apenas um ano de diferença, não é nada fácil, seja em qualquer das idades, são cuidados e preocupações muito idênticas e sempre a dobrar, acredito que as dores de cabeça terão sido igualmente a monte. Gerir e absorver a velocidade dos acontecimentos, a forma como são experienciados e vividos, e ainda incutir a todo o custo, valores e principios fundamentais para a formação e caracter de cada um, é de facto um dos papeis mais díficeis, o outro é natural e suaviza tudo, dar amor e sentir orgulho nos nossos filhos e de tudo aquilo que aprenderam connosco. Ter filhos, é complicado sim, é uma alhada de todo o tamanho, mas é também o que temos de melhor: Os nossos filhos.

    Arrivederci Marta...
    Baccis per ti...
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.