Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O meu cantinho

Semeia um pensamento e colherás um desejo, semeia um desejo e colherás a acção, semeia a acção e colherás um hábito, semeia o hábito e colherás o carácter...queres continuar...

O meu cantinho

Semeia um pensamento e colherás um desejo, semeia um desejo e colherás a acção, semeia a acção e colherás um hábito, semeia o hábito e colherás o carácter...queres continuar...

24.11.10

COMO LIDAR COM OS NAMOROS DE HOJE...!!


libel

 

O namoro representa uma fase de conhecimento mútuo do casal, concordo, nessa fase eles se encantam e se conquistam a todo o momento, concordo, nela percebem as semelhanças e as diferenças que os irão aproximar ou fazer com que terminem a relação, concordo,  o que muda ao longo do tempo é a forma como acontece este conhecimento, con..cor..do!!..

  

 

 

Ou seja, antigamente...

 

O casal não podia ficar junto sozinho, havia sempre alguém vigiando, o que dificultava o conhecimento de ambos, o facto de não ficarem a sós, causava constrangimento e impedia-os de trocarem ideias, caricias, e se conhecerem mais a fundo, havia toda uma série de regras e normas de boa conduta que fazia com que o casal apenas revelasse algumas facetas de si mesmo, até pela falta de intimidade e de tempo entre eles, porque havia horários e dias restritos para o namoro. As surpresas ficavam todas para depois do facto consumado, bom ou mau...o que dizer, posso assegurar que nunca conhecemos 100% quem vive e dorme connosco uma vida inteira quanto mais num namoro vigiado.

 

Actualmente.....

  

O namoro é muito mais aberto, existe mais informação, logo mais comunicação, o que facilita o papel dos pais, surgem outras preocupações, que ofuscam a vigia a um namoro, ou seja, a realidade é que, damos por garantido, o sexo. O que podemos fazer, dar graças pelo facto de sabermos que se protegem, ou pelo menos de ter plena consciência dos avisos e cuidados.  Sabemos que, a sexualidade é um factor importante para a manutenção de um relacionamento, embora não seja o factor preponderante, logo, a partir dessa intimidade, acreditamos que, o casal deixe revelar grande parte das suas facetas, em conversas, troca de ideias, carícias, gestos, ou atitudes, propiciando um conhecimento mútuo mais profundo entre eles,  mas.....

 

 

Nem tanto à terra, nem tanto ao mar....

  

 

O que fazias, ou melhor ...qual a tua reacção, se entrasses em casa (ok...mais cedo, do que o costume)...sentisses assim um ambiente estranho, sei lá, tipo um silêncio esquisito, e de repente o teu filho (17 anos, namoro recente)...., surgisse todo despenteado, com ar de louco e ao mesmo tempo assustado, e te dissesse: Mãeeeee....vieste mais cedo, não é costume....

 

 

Vi logo o filme todo ...e confesso que fiquei a precisar de uma ginginha...Lolll...

  

  

  

Beijokas

Iz@

  

  

 

2 comentários

  • Imagem de perfil

    libel

    14.12.10

    Olá Paulo,

    Não sou contra, sequer impeço que ele faça pela vida, ou seja, tenha as suas experiências e aventuras e namoros e amores, enfim que viva, aprenda e construa alicerces para a sua vida futura, tudo serve de aprendizagem, desde que, os bons costumes se mantenham firmes e possamos conviver num ambiente solidário. Exijo respeito sim, é fundamental para a construção de carácter, não só em relação a ele, como a todos que o rodeiam.

    Não quero que assuma esse "risco" como um hábito, qualquer coisa fútil, simples, normal, rotineira, básica, quero sim que avalie pela sua importância, pelo seu conteúdo e por tudo o que implica um acto desses, que extraia o que de melhor tem, a descoberta, a emoção, a companhia, o sentimento, a reacção, o prazer, o momento, a magia, ..enfim quero que viva e aprecie esses momentos, mas também que lhes dê o devido valor e sentimento entendes??...não quero que faça deles "coisas" descartáveis, só assim se consegue chegar ao verdadeiro Amor.

    Quanto ao teu rapaz, tens aí um problema, ou melhor, ele tem um problema, dos grandes, sou sincera, não alimentava essa situação, sequer lhe passava a mão no pelo, quando não queremos algo para nós, devemos pensar, ou pelo menos tentar enfiarmo-nos na pele do outro. Tens razão em alertá-lo para as responsabilidades, para os incomodos e até sofrimento que uma situação desse genero pode trazer, espero que ele entenda a tempo, pois no final será ele o mais afectado.
    As raparigas são bem atiradiças sim, mais do que eu gostaria de presenciar, no entanto tb conseguem ser mais adultas e objectivas e suportar bem melhor as perdas.

    Beijokas amigo do coração...
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.