Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O meu cantinho

Semeia um pensamento e colherás um desejo, semeia um desejo e colherás a acção, semeia a acção e colherás um hábito, semeia o hábito e colherás o carácter...queres continuar...

O meu cantinho

Semeia um pensamento e colherás um desejo, semeia um desejo e colherás a acção, semeia a acção e colherás um hábito, semeia o hábito e colherás o carácter...queres continuar...

31.01.12

A VIDA É BELA...POIS...


libel

 

 

Acabei de receber um "Refúgio a Dois", aqueles presentes que tiram anos de cima, a quem não sabe o que dar, não sejas insolente. Embora, quando os felizardos são um casal, seja fixe, pelo menos é motivo mais que suficiente para discutirem enquanto escolhem o destino, que peste. Neste caso, foi mais um presente a granel, tipo presente de Natal para melhores clientes. Podem chamar-me pobre e mal agradecida, mas sinceramente preferia uma massagem, ao menos o momento era a "dois" eu e o massagista.

 

Ora, porque a bem dizer, isto dos "dois" é complicado, se fossem "três", o pano de fundo mudava, em vez de romântico, o destino teria que ser mais radical.  Mas "dois" é coisa que não existe no meu quarto, ou melhor, ...a minha filha conta?...

 

Pois, a Vida é bela, mas não me deixa qualquer alternativa, vou ter mesmo que pôr um anúncio. Ficar a remoer nisto não vai adiantar e a varinha mágica há muito que deixou de funcionar. O meu príncipe encantado ficou preso numa masmorra, nesta altura virou pó, atchimmm..., a promessa ficou-se pelo ar poeirento...e a história ... Era uma vez, ...o dia estava lindo, ...e não foram felizes para sempre. Terminou.

Não acreditem nela, é tudo treta..., ela cortou-o aos bocadinhos..shiuuu...{#emotions_dlg.brasas}

 

Muito bem, troco um "Refúgio a Dois" por uma massagem com pétalas de rosas, óleos perfumados e chikolate... 

ou quem sabe, não custa nada tentar, afinal quem não arrisca não petisca...

algum solitário quer aproveitar a excelente oportunidade de me acompanhar, prometo que....

 

não ronco...

               não peido...

                              não arroto 

                                             (em locais públicos){#emotions_dlg.lol}

 

 

(Pssst...notinha rápida: o pacote não inclui jantar, shiuuuu...)

...ok ...ok ..Ok...

Aceitam-se sugestões de locais interessantes para Refúgios a "Um",

...conhecem alguma coisa{#emotions_dlg.unknown}

 

 

 

 

 

9 comentários

  • Imagem de perfil

    primaverao

    01.02.12


    Imaginativa esta Libel- Em vez de "não peido ", podias dizer "não me abro" ! Há uns tempos, numa foto, dei-me conta que tinhas "um bicho a subir pelo rego acima" ! A exclamação de alguém terá sido que alguém se tinha peidado , quando podia ir no mesmo sentido, ou seja, "alguém se abriu" . Nota, este teu jeito jogralesco de falar, em jargão, a mim, provoca-me ondas e assaltos de poderosas imaginações ! O outro jeito, de que se encontra eivada a tua prosa, límpida, sóbria, que reunida dava um dos melhores florilégios, desperta-me um enorme sentimento de elegância que colocas em tudo quanto escreves.
    Um beijo, cachopa descomplexada e linda!
  • Imagem de perfil

    libel

    02.02.12

    É pá primaverao, assim nem é quente nem é frio, vê lá se te decides, senão fico na dúvida em que posição devo pôr o termostato para que te sintas na tua estação. Não quero que te falte nada, muito menos a tua identidade.

    Bom, mas enquanto pensas, não te abras ainda, aguenta os gases, temos que combinar uma coisa, eu de memória sou um zero, e quando se trata de bichos a subir pelo rego acima, menos ainda, dá-me assim uma branca total. Agradeço o lembrete, mas zero, assim como a coca-cola zero, népia. Deu pra entendê?...tens que ser mais absorvente, tipo renova, sabias que ganhou um prémio por distinção de papel higiénico mais vendido e exportado.
    Pois,
    outra coisa é o criolo, porque raio escreves em criolo?...não percebi nadica, aquela parte dos jotas foi brilhante, mas bolas, não é a minha praia, talvez por isso as ondas de que falas te subam à moleirinha e te assaltem o sotão cheio de aranhas, desculpa o jogralesco, mas a mim estas coisas de não saber quem escreve provocam-me ondas de jarvilhões (sabes o que é, pois...eu tb não, já que nestamos na onda dos "j", temos que inovar).

    Quanto á elegância, gostei, quem não gosta de um elogio, só tenho pena que seja de um estranho, mas...para a próxima acredito que te vais abrir, e todos os cheirinhos vão vir ao de cima, certo??..

    Adeus,chavalo ou chavala bem disposto(a)!!
  • Imagem de perfil

    primaverao

    02.02.12


    Libelzinha!

    Quem, supostamente atiradiço, se entreter a pensar de que és uma mulher fácil de obter, engana-se- Se, porém, me apaixonei por ti, foi por mor do teu estilo e a ele me encontro rendido, que não a ti, que, de certeza, se o quisesses, não te faltariam alfobres de nabos e rabanetes!

    Vamos àquilo: é literatura da melhor aquela que cultivas na tua antologia. Pedia-te que me enviasses um poema, da tua lavra, que deves ter-
    Manda, que te iria surpreender!
    Aqui, lá fora, estão cinco negativos. A ventania ensaiou agora o seu bailado nocturno. Este zurzir do pinheiral em frente, mexe comigo. Podes agora enviar-me um poema?
    Une bise!
  • Imagem de perfil

    libel

    03.02.12

    Nabos e rabanetes, tu queres mesmo provocar-me uma onda de gases. Sinceramente, não me sinto seduzida por esses vegetais, são muito ínsipidos, preferia uns bons tomates, umas cenouras, ou beringelas, ou courgettes, isso sim faz as minhas delícias...., numa sopinha quentinha.


    Mas vamos lá àquilo: um poema da minha lavra.
    Faço-te a vontade porque estão 5 graus negativos, sempre é uma forma de aquecer os deditos e os pensamentos, dizem que o frio é psicológico. Se estivessem 6 graus, terias que penar...eheheh...

    Deixa-me snifar aqui a minha dose de coca, a inspiração é imediata...sniffffff....aqui vai!!

    "Eras tu naquele retrato, amarelado pelo tempo, numa primavera de sonhos, estavas sorrindo,
    teus olhos brilhavam, tua boca denunciava
    felicidade, aquele primeiro beijo,
    tão esperado, tão sem jeito, tão a medo,
    que sensações te provocou, ainda perguntei
    não sei a resposta, nunca soube, nem vou saber
    eras demasiado fugaz,
    Um primaverao cheio de vida e de sonhos
    que um dia entrou noutra estação
    Num Inverno frio e distante
    e abandonou meu coração."
    By Libel Maria

    Gostastiiii?..queres mais?..
    10 pinos, 20 flexões e 50 agachamentos , quero-te em forma ...
  • Sem imagem de perfil

    jose

    04.02.12


    Na prosa e naquele teu humor desbragado, consegues, sem esforço, brilhar, ao nível da picardia grotesca! As tuas derivas, por irreverentes, parecem , assim , assumir uma estranha forma de pedagogia nas pulsões descomandadas de quem vive para aquilo... E com aquele teu estilo apimentado, bem ao jeito feminino, afastas, de facto, toda e qualquer tentativa de aproximação romântica. No fundo, é o que pretendes.... e consegues-
    Não sendo, pois, esse o meu objectivo, como por certo adivinhas, gosto, não obstante, de me sorrir da tua fluída capacidade lúdica, naquele contexto.

    Noutra vertente, a da mensagem comunicativa, escrita, que é aquela que te conheço, séria, despretensiosa, subtil, o teu estilo, de elevada nobreza, atinge contornos tais de beleza estético-literária, que consegues transmitir sentimentos, emoções e sensibilidade artística!

    Não precisas da minha apreciação, livre, aberta, liberta de preconceitos. A apreensão que, todavia,
    faço de leituras do teu blog, remete-me para uma conclusão de admirável plasticidade que te caracteriza. Só a tua cultura, transversal, consegue resolver muitas das contradições que se vão instalando em nós, à medida que vamos conhecendo a nossa mente, fonte inesgotável de todas as nossas inspirações.
    Lê mais uma vez o Retrato de Ricardina do nosso Camilo e lá encontrarás reflexão abundante naquilo que é o nosso espírito imaginativo e contraditório e a meneira como gerimos essas contradições na escrita e na nossa vida pessoal!

    Li, algures, por aqui, um artigo onde se desenvolvia a ideia da "morte anunciadsa da blogosfera"! Não me acredito muito na profecia do comentarista, mas é visível um certo cansaço, da parte dos bloguistas, em sairem da rotina e manifestarem todas as suas energias criativas, a todos os níveis. Consegues superar a maldita rotina remetendo-te (nos) para o carácter lúdico da produção literária e, noutras vezes, nos arrebatares justificada adesão a outras tuas leituras.

    Quanto ao poemeto, está na esteira do que venho adiantando!

    Desejaria, por fim, dizer-te que encontro poir aqui muita coisa digna de ser lida e saboreada, que tenho vindo a aproveitar para a dissertação que tenho na forja.

    Obrigado por me consentires este meu comentário, que faço, com admiração por ti!



  • Imagem de perfil

    libel

    06.02.12

    Sinceramente, fiquei surpreendida com o teu comentário, não esperava com o meu “poemeto” conseguir prosa tão vasta e subvalorizada, baseado apenas na minha humilde escrita, que de artístico nada tem, mas agradeço a apreciação. Todas as palavras escolhidas a rigor, com base em descrições estético-literárias, mais parecem ter saído de um manual de redacção, não se identificam comigo, nem com a minha escrita, no entanto, percebo que façam sentido para outras pessoas, como tu, que gostam de explorar uma vertente mais aprimorada, com termos específicos que transmitam conhecimentos gerais, eu gosto de as simplificar para que cheguem a todos.

    A escrita para mim tem de ser simples, livre. Quando muito elaborada, confunde. Gosto de a soltar, de deixar sair letras, frases, mesmo sem sentido, mas sempre com uma direcção. Gosto de gerar pulsão, batimentos, alargar sentidos e sensações sob a forma de simples emoções que saem sem pedir, e que são tudo o que tenho para oferecer a quem me visita. É genuíno, nada peço em troca, são estados de alma, são tudo aquilo em que penso no momento, são a minha pessoa, e se calhar tens razão quando falas nas tais contradições, é talvez a forma mais inteligente que encontrei para as gerir. A rotina não se instala, porque escrevo sem pré-aviso, sem rascunho, sem premeditação. As palavras saem, fluem, como tem de ser. E são puras.

    Não esperava igualmente a revelação de um nome, José. Mas fico contente, revelas uma intenção desmascarada, sem qualquer indício malicioso, revelas pacificidade, acabaste de mostrar que existem anónimos apenas com um interesse, o literário. E isso deixa-me feliz, afinal este é um espaço aberto a todos, com a simplicidade que o marca, onde gosto de receber por igual, sejam bloguistas, ou anónimos, os últimos no contexto daquilo que o blog oferece, no problem. Os bloguistas, sei onde os posso encontrar, e através da escrita percebemos quem nos visita.

    Os anónimos que insistem no esconde esconde, deixam-me um pouco apreensiva e na defensiva, por isso, parto para o humor desbragado como lhe chamas, é uma forma de clarificar, que outras intenções, fora do contexto do blog, fogem da minha praia. Faço-o da forma que sei, quem se sentir ofendido, espero que não volte, é sinal que não pertence ao clube dos afortunados em sentido de humor.

    A ti dou-te as boas vindas, espero que voltes sempre que te aprouver, seja para ler, comentar ou simplesmente olhar, o chá é servido ás cinco, podes sentar e apreciar as vistas, aqui os negativos nem se notam, o gerador funciona através do calor humano que recebe dos visitantes, logo, temos uma temperatura ambiente muito agradável.

    Bem haja.

    p.s. Nunca li O Retrato de Ricardina, mas agradeço a sugestão.
  • Sem imagem de perfil

    Jose

    20.02.12

    [Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

    <BR class=incorrect name="incorrect" <a>Libel</A> , <BR><BR>Vim agora de ordenhar o gado. À mão! São praí duas centenas e o trabalho é repartido pelo Rui, pela Olívia e por mim, que não há maneira de me ajeitar à mão esquerda. A ordenha mecânica avariou-se e temos de ser polivalentes. Desenrasco-me. Tudo uma questão de hábito! No final daquela saga, as mãos só cheiram a leite de ovelha. Ainda não ceámos e tem sido este calvário há mais de um mês! <BR>Prometo responder tranquilamente um dia destes ao comentário que gentilmente adiantaste às minhas reflexões. Para onde posso enviar umas fotos das nossas ovelhas? <BR><BR>Une Bise!
  • Imagem de perfil

    libel

    24.02.12

    Não tenhas pressa José, trata do rebanho e dos afazeres, eu estou por aqui de sol a sol, esta é a minha segunda casa, aqui perto dos amigos sinto-me bem. Quando o rebanho assim o permitir, ou o trabalho amenizar, poderás então responder tranquilamente, sem o cheiro a leite de ovelha, calculo seja a azedo?...não?...ok,..diz-me tu, porque de ordenhas, rebanhos, e afins não percebo patavina, adoro o campo, mas nunca estive perto de animais, apenas consegui sentir os cheirinhos bons da natureza.

    Fotos das ovelhas?...ahahahha....e tuas não??..
    Ok, o mote foi lançado, o mail: libel@sapo.pt
    Que venham elas...
    aos molhos
    aos saltos
    em fila indiana
    ....cá as espero ansiosamente ...
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.