Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O meu cantinho

Semeia um pensamento e colherás um desejo, semeia um desejo e colherás a acção, semeia a acção e colherás um hábito, semeia o hábito e colherás o carácter...queres continuar...

O meu cantinho

Semeia um pensamento e colherás um desejo, semeia um desejo e colherás a acção, semeia a acção e colherás um hábito, semeia o hábito e colherás o carácter...queres continuar...

14.03.12

TRAGÉDIA NA SUÍÇA..!!


libel

 

Normalmente este blog aborda temas numa vertente humorada, todos eles, mais sérios, menos sérios, acabam por ser portadores de uma ironia saudável e nesse contexto a bola de neve vai crescendo, possibilitando a passagem da mensagem, incentivando a troca de palavras, partilhando conceitos, gostos, (des)gostos, ideais de vida e muita, muita brincadeira. O objectivo é esse, sorrir, mesmo quando o quadro que pintamos só tenha uma cor, a tela que imaginamos, não tenha brilho, o momento por que passamos, não seja iluminado. Aqui, a intenção é uma só, e acreditem que o faço não só por vocês, que por aqui passam, por todos os que já considero amigos, mas também por mim, faz-me sentir bem este comportamento, esta atitude positiva. Este sentido de humor, é um dos meus bens preciosos, talvez aquele que me vai iluminando o caminho. Consigo quatro em um, e não é nenhuma promoção; bem estar social, espiritual, físico e emocional. 

Traduzindo. Felicidade.

 

Mas, como dizia, a intenção é trazer luz, muito sol, boas energias, bonitas cores, cheiros, afagos, aconchego, sorrisos, leveza de espírito e talvez consciencializar para o facto de podermos abordar qualquer tema-assunto, sem que necessariamente, o façamos de forma séria. O respeito é crucial, e posso dizer que ao fim deste tempo, sinto-me realizada e orgulhosa por privar desse principio essencial na minha vida e neste blog. Parece difícil mas não é, as brincadeiras, as conversas, as provocações, são puras, inocentes, mesmo aquelas com sextos e sétimos sentidos, nada se move de má fé, por isso, acredito que, a postura dos visitantes encaixe na perfeição, que sintam o mesmo que eu, puro entretenimento e afeição. Tenho uma admiração enorme por todos os amigos que me visitam, que deixam comentários e depositam neste cantinho purpurinas de encantamento. Obrigado a todos.

 

 

Hoje, este post é diferente, não consigo manter a tal vertente, até porque nem quero. O assunto é demasiado trágico e doloroso, para que vos possa consciencializar com palavras ou gestos. Para que vos faça esquecer, para que possa amenizar, quanto mais ironizar. Um acidente que vitimou 22 crianças e 6 adultos, no regresso de uma viagem de férias, aos Alpes Suíços. Não, não tinha de ser assim e ponto final. Foi uma tragédia, ainda por explicar, uma penosa dor para aqueles pais, um trauma para as outras crianças que sobreviveram, professores, amigos, uma profunda tristeza para todos aqueles que assistem a uma situação destas. Uma revolta perante a impotência. Uma mistura de sentimentos que dão lugar a lágrimas, a emoções, a culpas, a desespero, a penalizações, a pensamentos, a lembranças, a perguntas sem resposta. Uma constante procura de informação, de saber, de achar, de perceber, compreender, aceitar. Vinte e duas crianças ficaram sem vida, assim de repente, sem mais nem porquês. Vinham de volta, das fantásticas  férias que passaram, onde se divertiram, brincaram e desanuviaram. Infelizmente, uma viagem sem regresso para muitos. Quando do outro lado, pais, familiares e amigos esperavam apenas o momento de os voltar a abraçar. 

 

Desde que ouvi a notícia, vi algumas imagens na tv, o desespero daqueles pais, a procura pelos seus queridos filhos, as incertezas, as angústias, a tristeza envolta naquela escola, não consigo imaginar tamanho sofrimento, e não consigo pensar noutra coisa. Como sabem, faz bem pouco tempo, a minha filha foi numa viagem de finalistas a França, igualmente de autocarro, no período de uma semana. O meu coração pulava todo o santo dia de aflição, mas lá fui levando, com telefonemas, com mensagens, sempre acompanhando a viagem, os passeios e a estadia de longe. No último dia, o de regresso, ela ficou sem bateria, quase tinha um piripack, sem notícias durante toda a viagem, o meu coração quase parava. Corri todos os números conhecidos, dos conhecidos saltei para os desconhecidos que me foram dando, até que, por fim, as notícias chegaram. Boas felizmente. Estava a poucas horas de a abraçar.

 

Por isso, estou devassada com essa tragédia, tão penosa. Consigo imaginar a falta de notícias, desesperante, aflitivo, doentio, mas mais que isso, não consigo, e acredito que não aguentaria. Por isso, deixo aqui o meu pesar, as minhas condolências, a minha solidariedade, a todos os familiares e amigos  envolvidos, nessa hora de dor e sofrimento A todas as crianças que sobreviveram, a minha ternura que os envolva e a minha força que os fortaleça para que consigam superar o trauma do sucedido e a perda dos seus amiguinhos. Aos que faleceram, com muito pesar e tristeza, que descansem em paz, num campo de girassóis, iluminados pelas estrelas e rodeados de PAZ!!... 

 

Um bem haja a todos...

 

 

 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.